9 de maio de 2012

Espaços verdes






















Há 30 anos Portugal era um país rural. Hoje muito mais urbano. Contudo não nos esquecemos do nosso tradicional caldo-verde, nem das técnicas hortícolas. 
Sabe bem ver o ressurgir dos hortelões, mesmo que, uns quantos, condicionados ao espaço entre prédios, disputando lugar às urbanizações, e fazendo jus às teses do arquitecto Ribeiro Teles, quanto à necessidade de existirem coroas agricultadas envolvendo as áreas edificadas das cidades. 
Nem só de jardins se faz o espaço verde.

3 comentários:

Teresa Guerreiro disse...

Hortelemos e assim poupemos:)

carlos disse...

este fim de semana estive a estudar 'o assunto' das sementes das couves.
depois de ficar a saber que apanhei as pequenas vagens antes de tempo (só devem ser apanhadas quando a casca esta seca e as sementes escuras).
a teoria já a tenho..
há que esperar

Maxwell disse...

Lamento discordar mas Portugal é bastante pouco 'urbano'. O que existe é maior desenvolvimento de infra-estrutura (especialmente edificado residêncial). 'Urbano' é algo que não compreende só infra-estructura mas o 'ambiente' e isso é algo que, até hoje só encontrei num caso pontual (Porto).
Sim, de facto é um pais, na generalidade, rural 'com laivos de modernismo' mas que veio a ser aproveitado (pelo menos em frase promocional) pela 'Onda Verde' que se sente na Europa há uma década.
É de lamentar, no entanto, que não se use essa Onda para progredir no que toca a valorização dos recursos naturais, utilizando-os como alavanca para a criação de pólos urbanos sérios e dinamização de campos.