14 de agosto de 2018

26 de janeiro de 2018

O lixo imaginário e o amor real

Deoclides e Valdineide - luxo real sobre o lixo do mundo.
Foto: arquivo pessoal facebook
A grande notícia era o fechamento do maior depósito de lixo a céu aberto da America Latina, que fica em Brasília, há pouco mais de dezoito quilômetros da  Praça dos Três Poderes. Mas uma história de amor roubou a cena. Pelo ineditismo. Pelo vigor. Pela capacidade do ser humano de transformar o lixo do mundo em luxo pessoal.

Valdineide, catadora de lixo reciclável que, há vinte anos, tira do "Lixão da Estrutural" o sustento da vida, conheceu e apaixonou-se por Deoclides, outro catador que também encontrou ali uma forma de levar a vida com dignidade. Vinte e quatro anos de idade distanciam o nascimento dela para o dele. Mas isso não se traduz em obstáculo para o amor.

Ela não teve dúvida quando o viu. Queria namorar com ele. Tomou a iniciativa, que foi bem aceita. O amor se consolidou em um ano. E às vésperas do fechamento definitivo do lixão, ela decidiu que queria casar bem ali.


O resto da história a vida se encarregará de contar. Mas o início de tudo está bem ai, no pouco que a crônica de sexta, feita para o Repórter DF, da TV Brasil, consegue retratar. Que a coragem e a alegria de viver acompanhem estes dois. Eles já deram mostra do que são capazes.

15 de novembro de 2017

"Nas asas da Saudade"


Havia tempos o Mauro Di Deus não me ligava. De repente, uma mensagem na tela do celular: "Maranhão, acabei de receber isto e pensei imediatamente em você". Abri correndo. Era um convite, ao mesmo tempo carinhoso e comovente.

Carinhoso porque permitia aos amigos mais próximos o privilégio de chegar primeiro ao prédio onde funcionou o "Mercado Municipal de Brasília", na 509 da W3 Sul, desde que foi aberto, até o último dia em que deixou de funcionar.

Comovente porque comunicava a venda de centenas de peças garimpadas ao longo de anos, por Jorge Ferreira - dono e criador do Mercado. A decisão da família era um exercício de desprendimento amoroso. Depois que Jorge faleceu, não havia como guardar tantas peças. E o melhor, no entender deles, era deixar que cada amigo, cada frequentador, levasse consigo uma lembrança daquele lugar tão marcante da cena cultural de Brasília.

O mercado
Lembrar que o mercado fechou depois da morte do Jorge fez doer um fiozinho de melancolia no peito. De imediato, liguei pro Mauro e perguntei sobre a possibilidade de fazer um registro daquela "despedida". Ele me passou o contato do Lucas, filho do Jorge, com quem travei uma conversa emocionada.

Jorge e seu sorriso
Combinada a autorização pra filmar, fui atrás de equipe e equipamento. E percebi logo o grau de dificuldade. Meus parceiros mais comuns de filmagem não puderam me acompanhar nessa jornada. Descubro que Abdon e sua produtora "Canto Cerrado" também sucumbiram à crise brasileira. A produtora fechou. Foi mais um baque. Mais uma notícia triste.

Depois de várias tentativas, já tarde da noite, me dei por vencido. Não ia conseguir mesmo fazer o registro que achava necessário. A noite veio como um alento. O sono, um hiato necessário entre a angústia e a resignação.

Acordo na manhã de sábado, com previsão de um plantão na TV, a partir do meio-dia. Olho outra vez para o telefone e decido: Vou filmar, mesmo que seja com a câmera do telemóvel. E parto para o Mercado. O restante... Bem, o restante está ai embaixo, no filme de quatro minutos, montado, editado e trilhado também no i-movie.

Algo que me deu muito orgulho de ter conseguido fazer. Pela memória do Jorge. Pela saudade do Mercado. Por tudo o que eles - Jorge e Mercado - significam para Brasília.

   


12 de agosto de 2017

13 de maio de 2017

Mar de saudade, barco imaginário

Um barco imaginário, a Baía de São Marcos,
memórias do Bela Rosa e de meu avô, Opílio.  

Acordei pensando em meu avô, Opílio.
Desde antes, venho pensando nele. Há dias.
Sei, não faz muito sentido. É véspera do dia das mães, não dos avôs.
Mas, que importa? O pensamento é livre. Penso nele e pronto.

Meu avô era dono de barco. Um barco que só imaginei, a partir do que me contaram. Não tive idade pra ver o mar da baía de São Marcos bater provocante em seu casco. Nem pra sentir o vento de proa soprar no rosto dos barqueiros que se metem a enfrentar o mar aberto. Cantiga de marinheiro, poema de maresia. 

Mas as histórias dele, o Bela Rosa, as poucas que ouvi, me são suficientes para fazê-lo um barco encantado. Foi por um tempo desejo, diversão e ganha-pão do "seu" Opílio. Um barco de aventuras comerciais. Meu avô tinha um pequeno grupo de marinheiros comandado pelo irmão dele, Gregório Viegas. 

A cada travessia trazia coisas do interior. Do continente para a ilha de São Luis.
Vinha de Alcântara, onde meu avô nasceu e se criou. Horas depois de vencer o banzeiro, aportava na Praia Grande ou no I'Bacanga. Portos de desembarque, cheiro de peixe, de frutas, de comida da terra. Gritaria colorida, fuzarca de gente simples, idas e vindas constantes que faziam as segundas parecerem domingos de festa. 

Até um dia em que a notícia chegou primeiro que a carga, primeiro que o barco: Uma rajada de vento quebrara o mastro, deixando a nau à deriva, em alto mar.
Opílio sempre foi um homem prático. Se o mar quer levá-lo, é porque não é mais meu. Mas o convenceram a resgatar. Corda, reboque da marinha, lá se foram mar à dentro, sob o olhar atento de Gregório, o capitão. 

Meu pai é quem me conta. Avistaram o barco depois de horas de navegação. Mas o reboque não tinha como chegar tão perto. Gregório amarrou uma corda na cintura e pulou no mar. Nadou contra a corrente até alcançar o Bela Rosa. 

Rebocado, mastro quebrado, parado na Praia Grande sob o olhar de meu avô e seus marinheiros. Foi como uma despedida. Meu avô vendeu o que restou do Bela Rosa ao primeiro que lhe fez uma oferta. 

Imagino meu avô caminhando de volta para a Madre Deus. Alpercatas de couro, calça de linho branco, camisa aberta à altura do peito, cabelo cuidadosamente alinhado, o galego aventureiro ganha a rua de São Pantaleão, entra na Rui Barbosa pensando na próxima investida. Antes de chegar em casa, passa na banca de "seu" Sanclaire. Aposta uns trocados no Galo. E espera pacientemente o fim do dia, quando viria buscar o produto de sua "fé". 

Meu avô nunca perdeu uma aposta.



O "velho Lobo do Mar", Opílio Viegas, comigo.
Priscas eras.  Saudade. 

31 de março de 2017

Um papel

Foi há quase 28 anos. Alguém visitou um preso, levou-lhe 1 rádio, pilhas, fruta, fiambre, chouriço, lâminas de barbear, uma palavra que não decifro e fotografias. Outro alguém deixou este papelito dentro de um livro e veio ter a mim, para eu vos contar esta história.

16 de março de 2017

O meu rico Santo António

Não resisto a este Santo António...Uma capa dum fascículo do Rocha Martins e da autoria de Alberto de Sousa.