5 de abril de 2012

as vantagens de ter os arquivos organizados nos computadores


esta semana, na irlanda do norte, o padre martin mcveigh preparava-se para mostrar um qualquer power point sobre as excelências da primeira comunhão em época pascal.
o dito padre, segundo o ulster herald, arranca com a apresentação e eis que começam a aparecer, no lugar do sacramento da first penance, imagens explícitas de actos homosexuais.
não tenho nada contra alguns padres serem homossexuais, como não tenho contra o facto de serem bi-sexuais, heterossexuais ou assexuais. é um assunto que a eles diz respeito.
também não tenho nada contra o facto da igreja católica continuar a insistir no absurdo estúpido e acéfalo do celibato, como se isso trouxesse alguma mais-valia moral ou prática para a sua actividade como servos do seu deus.
cada igreja rege-se pelo que acha melhor para si e quem não estiver de acordo que não ponha lá os pés.
a parte de pregarem uma coisa e fazerem outra, ao fim de 2000 anos já não é notícia nem admiração.

a minha questão aqui tem a ver apenas com o facto de nos seminários não se ensinar o mínimo de novas tecnologias que permita aos seus padres organizarem os ficheiros em pastas distintas do estilo 'first holy communion' e 'guys beeing naughty'

4 comentários:

Luísa disse...

:O

isto é mesmo de ficar... o.O

TERESA SANTOS disse...

Eu diria que é uma vantagem, mas no sentido de os arquivos estarem desorganizados.
É que assim ainda vamos tendo conhecimento da existência (sempre?) de predadores de crianças.
É que muitos desses "senhores" não poupam as crianças, e isso não, isso não podemos admitir.

O que são, a sua orientação sexual, que interesse tem isso?

Mas, mas poupem aqueles que não se podem defender!

Bic Laranja disse...

Nada contra a Igreja impor o celibato, não o coíbe de ferrá-la por «absurdo estúpido e acéfalo» arrogando-se saber vossemecê melhor do que a Igreja ou os crentes o que é ou não «mais-valia» (termo de contabilista usado acefalamente) moral na sua relação com um Deus que não entende e que daí pouco lhe havia de importar.
E nada contra «padres serem homossexuais» deixa no ar se se alegraria vossemecê o mesmo por serem antes os homossexuais padres, porque a mim parece mais verdadeira a segunda do que a primeira.
Boa Páscoa. :)

carlos disse...

uma boa páscoa para si, caro bic laranja.

vamos por partes:
1. o facto de não ser religioso não me impede de ter estudado e continuar a estudar a história das principais religiões monoteístas, na qual se inclue a cristã.
o celibato dos padres ocupa menos de metade do tempo de existência da igreja católica e não foi seguramente por isso que a igreja no seu primeiro milénio serviu menos o seu deus do que o serve agora. do mesmo monos que as as outras confissões cristãs, por permitirem o casamento dos seus sacerdotes não ficam diminuídas no serviço que prestam aos seus fiéis.
parece-me, não por uma questão religiosa mas por uma questão social, que proibir alguém de constituir família para exercer uma profissão ou um magistério é 'acéfalo, absurdo e estúpido'. é a minha opinião. seguramente haverá outras.
2.
eu não me alegro nem me entristeço por seja quem for ser homossexual, bissexual, heterossexual ou assexual. ou alegro-me ou entristeço-me por outras coisas. essas são-me indiferentes.
ser homossexual é, para mim, tão louvável e legítimo como ser heterossexual.
o que não é louvável para mim é o facto de a igreja continuar a esconder e proteger os imensos casos de aproveitamento de alguns (repito: alguns) padres fazem da sua relação de proximidade e ascendência com alguns menores.
os casos são demasiados para se continuar a achar que é má vontade contra os servos de um deus que eu não entendo.
e já agora, o que tem a ver o deus com os padres e os seus comportamentos e as suas leis?
foi o deus que ditou que a maria tinha que ser virgem no século 5 no concílio de éfeso? ou que os padres não se podiam casar (coisa que só se tornou geral e obrigatória a toda a igreja no seculo 16, durante o concílio de trento, existindo documentos históricos que provam a assistência técnica de 700 prostitutas no concílio de constança no século 15)?

exemplificando a coisa duma forma mais terrena:
sou do sporting e não tenho nada contra o facto do benfica ter utilizado um equipamento cor de rosa, mas achei-o bastante feio.