2 de novembro de 2011

Era

 Há tempos triste que marcam o interregno entre o que foi arrasado e o que vai ser edificado. E mesmo o futuro não promete grandes alegrias para os lisboetas. Relembre-se  o belo cheiro a sardinha assada e a frango no churrasco. Feira Popular em 1970 por Eduardo Gageiro.

4 comentários:

Paula disse...

Já trabalhei perto da Feira Popular e lembro-me de à hora de almoço, sentir o cheirinho das sardinhas assadas!

Luísa disse...

Nunca fui à Feira Popular, mas acho que era uma coisa que poderia muito bem ter ficado por no sítio. Peos cheiros, mas pelas ocres e pelos sons que, tenho a certeza, mesmo sem nunca lá ter ido, vinham de lá!
Passei lá à prta em Fevereiro... que vergonha!!!
E que aberração vai ser colocada lá???
Mais uma torre fria que só traz sombra?!?! É trite!

CL disse...

O do abano parece o Belarmino.

Paula Nunes Lima disse...

E os espelhos? Quem se lembra de como ficava na sala dos espelhos?