28 de maio de 2015

O calor lisboeta

Na paragem do americano, por Celso Hermínio, num dia escalorado.

1 comentário:

Assunção Baptista disse...

Recordo os Verões da minha infância muito quentes, com uma brisa abafada, sempre com o canto das cigarras por fundo e Lisboa a parecer uma cidade fantasma!