5 de Janeiro de 2009

FILMES DE NATAL


Quando alguém diz as coisas melhor do que ele poderia dizer, e isso não é muito difícil, não hesita e transcreve. É o caso de João Bénard da Costa no livro “Os Filmes da Minha Vida”, a falar de “Natais Brancos”. Deste modo:
“Um Natal sem presentes nem parece Natal.” Era assim, se a memória me não trai, que começava o popular romance de Louise May Alcott, “Little Women”, tantas vezes adaptado ao cinema. Estou de acordo. Sempre adorei dar e receber presentes, no Natal mais do que nunca. E sou daqueles que gosto do Natal, que gosta imenso do Natal. Natal com todos os efes e erres, com todas, todas as tradições. Desconfio até das pessoas – falo daquelas que não entraram para a vida pela porta de serviço – que não gostam do Natal. No sentido em que Godard dizia, no “Petit Soldat”: “Méfiez-vous des femmes qui n’ aiment, pás manger.”
Para ele os filmes de Natal começaram por ser toda a saga produzida por Walt Disney: a Branca de Neve, o Pinóquio, o Peter Pan, e outros mais, que fizeram todo o encantamento da sua infância.
Só mais tarde veio a saber que havia outros filmes de Natal, filmes que fizeram todo o encantamento da sua adolescência e que ainda o encantam.
O espaço só dará para os enumerar e pouco mais:
1) “It’s a Wonderful Lifw” (1946), “Do Céu Caíu Uma Estrela de Frank Capra, o homem que gostava do Natal, com James Stewart e Donna Reed um clássico desta época em que se deseja sempre que o mundo seja diferente do que é.
2)”The Shop Around The Corner” (1940), “A Loja da Esquina” de Ernst Lubitsch com James Stewart e Margaret Sullavan, um filme passado em tempo de Natal de aventuras e desventuras numa loja de esquina, em Praga, na altura da grande depressão. Uns bons anos mais tarde Nora Ephron fez um “remake” “You Got A Mail”, “Você Tem uma Mensagem” com Meg Ryan e Tom Hanks.
3) “Meet Me In St. Louis” (1945) “Não Há Como a Nossa Casinha” de Vincente Minnelli com Judy Garland que, maravilhosamente, canta “Have Yourself a Little Merry Christmas”, um filme feito em estado de paixão, pois Vincente Minnelli, perdidamente, apaixonou-se por Judy Garland.
4) “The Wizard Of Oz” (1939) “O Feiticeiro de Oz”, de Victor Fleming com Judy Garland, um clássico, florestas encantadas, espantalhos, leões, o homem de lata, tudo para além do arco-iris, o sabor do cinema.
5) “Donovan’s Reef” (1963), “A Taberna do Irlandês” de John Ford com John Wayne e Lee Marvin.
Deste filme disse João Bénard da Costa”: “O mais surpreendente Natal que o cinema mostrou”. E ele concorda plenamente.
Para ele são estes os cinco clássicos filmes de Natal. Revê-os sempre que lhe apetece, mas no Natal deixam-lhe aquele ambiente festivo que o deixa deliciado.

2 comentários:

Paula disse...

Ainda na semana passada vio Feiticeiro de Oz, no canal 2.
É lindo!
:)
Bjs!

teresa disse...

... esse para mim também é um clássico a rever regularmente, com um dos temas musicais mais belos "Somewhere over the rainbow" (opinião pessoal e como tal discutível) de sempre:)