1 de junho de 2012

boston-cincinnati





 

hoje enquanto dava uma vista de olhos pela nba.tv para saber a que horas começava o directo do jogo dos playoffs, lembrei-me do jogo que mais vezes vi na vida.
era eu um puto no começo da adolescência quando apareceu pelo 'atlético' (o de queluz, obviamente) um bobine com o filme de um jogo dos playoffs de 63/64 entre boston e cincinnati.
eu e os meus amigos tinhamos crescido a ver basquetebol no campo das tábuas na 9 de abril ou no ginásio da antónio enes, ainda antes do 'moderníssimo' campo de jogos ao ar livre e piso de cimento que hoje ainda está, decrépito, ao lado do actual pavilhão.
aquela maravilha, projectada numa máquina que por não sei artes alguém tinha arranjado com o 'apoio' da mobil, era a delicia dos amantes de basquetebol.


mesmo que ao tempo não soubesse que estava a ver verdadeiras lendas (oscar robertson por cincinnati e bill russel por boston, o número 6 nunca mais foi usado por ninguém na sua equipa, para citar os que mais perduraram no tempo)
a equipa de boston, os celtics, eram ao tempo uma máquina trituradora de adversários e o filme era uma espécie de demonstração do facto.
durante muitos anos aquele jogo e aquela conjugação de nomes sempre me esteve na cabeça.
mas a verdade é que nunca mais ouvi falar em nenhuma equipa de basquetebol, na nba, sediada em cincinnati.
ao contrário do de acontece na tradição europeia de clubes, nos estados unidos alguém compra um clube e leva-o para a cidade onde pode ganhar mais financiadores (poucas equipas estiveram sempre no mesmo lugar: por exemplo, os lakers começaram em minneapolis, de onde vem o seu nome, por causa da quantidade de lagos do estado).
há uns tempos tentei tirar a limpo a questão de saber o que tinha acontecido à equipa de cincinnati da minha memória.
a dita equipa começou como rochester royals onde esteve entre 45 e 57. seguiu depois para cincinnati como cincinnati royals onde esteve entre 57 e 72.
passou em 72 para kansas city-omaha kings durante duas épocas e perdeu o omaha nos 10 anos seguintes.
em 1985 tornou-se a actual sacramento kings.
historicamente foi sempre muito pobre, exceptuando os anos de cincinnati, quando era presença regular nos playoffs (nunca mais, antes ou depois de cincinnati, voltaram a estar em qualquer playoff).
mas nunca mais tiveram um jogador com a classe de oscar robertson.

hoje a única dificuldade para ver um jogo em directo da nba, é esperar pela 1 da manhã..
os tempos estão muito fáceis...

3 comentários:

Portas and Travessas.sa disse...

NBA? desde que o meu Pai me apaixonou pelo Basket e pelo Lakers.

o meu pai trabalhou em LA no "ermitag", e que lhe deu a oportunidade de conviver com os "superhomens"...Magic, Karim etç... e com o famoso Pat Riley.

É claro, o "meu" Lakers, está muito mal ... velho, como o Nicolson.


NBA? é espetáculo.

Aposto no Miami

Portas and Travessas.sa disse...

NBA? desde que o meu Pai me apaixonou pelo Basket e pelo Lakers.

o meu pai trabalhou em LA no "ermitag", e que lhe deu a oportunidade de conviver com os "superhomens"...Magic, Karim etç... e com o famoso Pat Riley.

É claro, o "meu" Lakers, está muito mal ... velho, como o Nicolson.


NBA? é espetáculo.

Aposto no Miami

Luísa disse...

O que uma pessoa aprende...os clubes saltam de terra e terra... um bocado sinistro! Parece que assim nunca têm identidade própria. :s
Uma criança que cresce com uma equipa a sonhar que seja campeã e depois a levar o filho ao estádio e, já agora, os netos... e depois chega-se ao final da adolescência e... o clube desapareceu...
isso era com agora dizerem-me que o Sporting tinha sido comprado e passado para o Barreiro...
Mesmo muito estranho!!!

Quanto a apreciar jogos de basquete, não o sei fazer. Sempre preferi jogar 3 contra 3 na rua. :D