31 de julho de 2010

Paraíso III - A caneta




Os dias começavam-me bem sempre que ouvia, ainda ao longe, vindo da porta da Paraíso, o pregão:
- É só uma nota!
Apressava um pouco o passo e crescia o entusiasmo, como respondendo antecipadamente à continuação do pregão:
- Aproximem-se meu povo! É novidade! É só uma nota!
Não sei bem porquê mas devia ser Domingo de manhã.
A minha curiosidade nesse dia advinha de verificar se a “novidade” anunciada não o era, pois ansiava pela repetição da “novidade” do mês passado, a caneta de tinta permanente com enchimento por ‘patilha’ lateral.
- É produto da maior necessidade! É qualidade garantida! E só paga uma nota destas (e exibia a nota na mão levantada).
Sinceramente já não me lembro de que nota se tratava em concreto. Havia notas de 20$00, 50$00 e 100$00 como possíveis para este tipo de negócio. [Excluo assim as notas de 500$00 e 1 000$00, mais usadas para compras maiores. Já é tão difícil encontrar a tecla do escudos, mas dá gosto voltar a escrever $s].
A nota de 20$00 parece-me ser, para as minhas possibilidades da altura, 1972 ou 1973, a mais viável, contudo penso que seria pouco para pagar aquela hipótese de compra. A nota de 100$00, pelo contrário, estava muito acima das minhas posses, não vendo qualquer viabilidade de dispor de tão avultada maquia, para esta compra ou para qualquer outra. Assim, analisando 4 décadas depois, a nota de 50$00 parece-me ser a mais provável.
Debaixo da pala de esplanada da Pastelaria Paraíso [não me recordo de ver a esplanada alguma vez montada] rapidamente se juntava, em semicírculo à volta do vendedor, um grupo de curiosos, constituído só por homens. Não sabia, à época, o porquê das mulheres não se juntarem também. As mulheres aproximavam-se, olhavam, matavam a curiosidade e afastavam-se.
Não tenho a imagem completa de como era a banca do vendedor, mas três coisas são certas: A banca tinhas pés de tesoura, o que lhe permitia abrir e fechar a banca; tinha uma mala onde guardava o stock e alguns apetrechos; em cima, a fazer de tampo, colocava um tabuleiro forrado a feltro verde, onde exponha os produtos a vender.
Havia, igualmente, três apetrechos fundamentais e desses lembro-me bem: Um pano de pó cor-de-laranja, onde limpava os excessos de tinta; um caderno pautado tamanho almaço, onde demonstrava o tipo de escrita das canetas e esferográficas; e um insólito pedaço de madeira, onde espetava as canetas pelo bico, num gesto em tudo idêntico ao do lançamento de um dardo ao alvo.
- Acontece deixarmos cair uma caneta ao chão. Se estiver fechada nenhuma tem problema, mas se estiver aberta … Reparem!
E lá espetava mais uma caneta no pedaço de madeira. E continuava a sua lição:
- Esta não é uma Parker, mas mesmo depois de lhe espetarmos o bico continua a escrever.
E demonstrava-lo passeando a caneta pelas folhas do caderno pautado:
- É só uma nota de cinquenta. E não fica por aqui! Quem apresentar uma nota destas (mostrava a nota) leva a caneta e também esta magnifica esferográfica, em aço, que escreve a preto, vermelho, azul e verde. Basta escolher com que cor quer escrever!
Ia manobrando os selectores da esferográfica e demonstrando a escrita no caderno. Eram umas esferográficas muito em voga na época, com quatro cargas e quatro cursores de selecção. Actuando sobre um fazia recolher a carga anterior e surgia o bico da cor seleccionada:
-Mas leva também esta e mais esta e, como hoje estou um mãos-largas, leva ainda mais esta.
Elevava um pouco a mão tendo a caneta e as esferográficas espetadas entre os dedos, não deixando de exibir na outra mão a nota de cinquenta.
- É só uma nota e leva isto tudo! Leva este magnífico conjunto (…).

O dia começara mesmo bem.
O vendedor tinha reaparecido com a caneta que eu tanto queria e tinha no bolso a tão apregoada nota de cinquenta escudos.
A minha ânsia ia acalmar, mas o meu entusiasmo ia em crescendo.
- Quero uma!
Agora era eu que exibia a nota de cinquenta escudos.
- Aqui tem o conjunto completo. Reparem que para encher a caneta é só fazer assim!
E num gesto de simpatia encheu-me a caneta de tinta. Mergulhou a canta no tinteiro, manobrou a ‘patilha’ lateral para cima e para baixo, limpou a caneta no pano de pó cor-de-laranja, fechou a caneta e deu-ma.
Como era linda a minha caneta.
[Estas canetas tinham uma pequena alavanca lateral que movia o êmbolo de enchimento do depósito de tinta da caneta].

Sabia que os meus irmãos Zé e João já estavam a tomar a café. Com o ar próprio de recente proprietário de uma caneta entrei triunfante na Paraíso:
- Vejam! Acabei de comprar. É mesmo muito porreira a escrever. E vejam como é para encher. É muito fácil, basta mexer esta alavanca aqui!
Ainda de pé, fiz o movimento explicativo de como se enchia a caneta.
Bom, assim que levantei a alavanca, pelo bico espirrou um jacto de tinta que foi directo ao homem que estava sentado de costas na mesa ao lado, a ler o Diário de Notícias, que ficou todo borrifado de tinta azul.
Penso que por ter escutado a minha alegria, atirando um olhar por cima do ombro, só refilou:
- Para a próxima tenha mais cuidado.
Voltou a folha do jornal e continuou a ler.
Incrédulos, em silêncio os três entreolhámo-nos e voltámos a focar os olhos no homem sentado na mesa do lado. O sobretudo creme que vestia estava manchado em toda a sua dimensão, tal como se fosse a pele de um dálmata.
Voltámo-nos a entreolhar e, sem mais palavras, de mansinho e muito apressados saímos da Paraíso.

video

28 maravilhosos segundos de exerto de um filme super8, caseiro e particular, dos anos 70

Gatos atarefados

Image and video hosting by TinyPic

O verso e o reverso


Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 Comprado hoje na loja do Zé e da Nélia. O Zé irradiava felicidade, vão ser pais de novo:)

Este cromo estava  numa caixinha cheia de preciosidades de papel que pertenceu a uma menina Maria Helena em 1926.Ora vejam.

30 de julho de 2010

Nunca o vamos esquecer

É a minha primeira imagem de António Feio no Gente Nova. Todas as pequenitas como eu o adorávamos e por ele tivemos a primeira paixoneta..
Enquanto estivermos vivas, certamente ele nunca será esquecido. Porque foi sempre um homem íntegro e gostável.Ele saberá disso. Tenho a certeza.


respondendo ao desafio...

me voici, na unica fotografia minha que conseguir encontrar de quando era pequena... adorava este lenço, acho que ainda andam pela casa de lisboa farrapos dele...

Image and video hosting by TinyPic

Palavras para quê?

Image and video hosting by TinyPic

Palavras para quê?
? Revista Banquete, 1973

7 anos


Foram sete anos que passaram num instante, parece que foi ontem. Sou veterana aqui, acompanho este blog quase desde o início.
Gosto muito de vir ver o que se escreve por aqui e gosto de comentar, embora escreva pouco porque me faltam os temas e, sinceramente, nem sempre me parece que o que escrevo seja interessante para os outros...
Obrigada por existirem, por escreverem, por opinarem. Eu continuarei por cá :)
E em resposta ao desafio, cá vai uma foto minha aos 5 meses. Linda, não era?

29 de julho de 2010

7 anos são, de facto, alguns (muitos) anos

para mim são 'só' seis, que apanhei a carruagem em andamento..

o dias é como uma família.
são os textos, são os almoços ou jantares, são as conversas mais ou menos acesas, são as enormes discussões e as polémicas a elas associadas.
é uma enorme amizade.
há seis anos que estou nesta casa.
os dias voam, pelo que se vê. mas a base constituinte mantém-se: um espaço onde cada um escreve sobre o que gosta e o que não gosta; um lugar onde a liberdade de cada um é um espaço sagrado.
esta casa faz-nos bem.
a todos os 'daqui'.
e espero, e desejo, que a todos os 'daí'


p.s. o tempo em fajão continua de ananases, com água tépida na piscina e cheiro a fogo no ar.
e eu prometo regressar a tempo do repasto aniversariante

O Colorido das Varandas desta Rua

Sempre gostei muito de me deixar percorrer ‘pelas ruas da nossa cividade’, observar as suas gentes e as suas formas de conviver.
Há poucos dias cheguei a esta rua e apaixonei-me pelo encanto dos seus recantos, senti o calor e acolhimento das suas gentes, alegrei-me com o colorido das suas conversas, agradou-me a disponibilidade opinativa de cada um e o respeito pela forma de pensar de cada um. Em cada varanda desta rua há uma linda sardinheira, muito própria, que embelezam e dão sentido aos dias desta rua.
Encantado, reconfortado pelo acolhimento, fui ficando e cada vez mais me sinto morador desta Rua dos Dias que Voam.
Teresa, bem haja por teres iniciado, há sete anos, este blog e sobretudo por o teres mantido assim, tão acolhedor, dando-lhe a hipótese de crescer saudável, criativo e interventivo. Parabéns a todos os moradores e visitantes desta rua tão especial. Vamos manter o colorido das sardinheiras da nossa rua.

7 anos merecem macarrões...

Image and video hosting by TinyPic

7 anos de dias que voam merecem macarrões, por isso, hoje estarei a comemorar o aniversario comendo estas verdadeiras delicias. comerei um por cada colaborador (eu não conto) e terei que comprar mais uns quantos e comer um por cada leitor, porque afinal eles também fazem parte dos nossos dias...
parabéns a todos os colaboradores e leitores que moram nesta rua e que fazem com que os dias voem e viva a t. fantastica anfitriã deste espaço...

O Almanaque Alentejano de 1959

Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic


Capa e contracapa.

Sete anos é muito tempo

Foi há sete anos, que tive a ideia de criar um blogue, sem saber nada do assunto e sem me preocupar em delinear objectivos ou estratégias. A este projecto se juntaram muitas outras pessoas, que contribuíram de uma forma ou outra para fazer este espaço. Discussões, risos, amizades, partilhas e também afastamentos passaram pela Rua dos Dias que Voam.  Antes assim. É um espaço vivo. Aqui vivemos nascimentos, casamentos, lutos e de uma forma ou outra fomos solidários uns com os outros. Temos um núcleo duro sólido.
Num contexto em que a convivencialidade se transfere cada vez mais para o Facebook,  ferramenta muito mais apelativa e de fácil consulta, continuaremos a caminhar por esta rua.
A todos os fazedores deste lugar, muito obrigada. E para a semana almoço!
...e viva a Tzinha que o inventou!

A lição de Salazar

Image and video hosting by TinyPic
Hoje, 27 de Julho de 2010, faz 40 anos que morreu Salazar.
Mantém-se um silêncio hipócrita sobre o que representou o Estado Novo para a sociedade portuguesa.
A sociedade portuguesa não fez a necessária catarse sobre este período histórico marcado pelo colonialismo, o fascismo, a guerra, o obscurantismo cultural.
São 4 décadas de regime ditatorial ao serviço de interesses económicos, de ilegalidades, de corrupção, de jogos de influência, de assassinatos, de medo, de imprensa controlada, de inúmeras situações que, à imagem dos dias de hoje, se mantêm impunes, por julgar ou simplesmente por analisar. Falta fazer a análise histórica da criação do capital financeiro actuante em Portugal e a sua reminiscência aos interesses económicos do Estado Novo.
Inquieta-me verificar a impunidade reinante nos dias de hoje para as mesmas situações de corrupção, de jogos de influência, de diversas ilegalidades, da imprensa controlada. E mais me inquieta ver o regime em crescente devoção aos interesses financeiros e económicos instalados.

Imagem retirada em http://sol.sapo.pt/photos/olindagil1/images/636069/489x375.aspx

28 de julho de 2010

Amanhã faz sete anos que ...

Image and video hosting by TinyPic

Respondendo ao desafio dos Carlos Caria, publico a minha primeira imagem, a foto do meu baptismo.
Se chorei só pode ter sido devido à tão pouca água derramada sobre a minha cabeça. Continuo a gostar de dar uns belos mergulhos no mar e nestas 'amenas águas' do Dias que Voam.
Nesta foto, de 1958, estou bem acompanhado pelos meus padrinhos (e também primos), pela minha mãe e pela tia paterna, todos vestidos a rigor para a cerimónia.

Maquiavel e a Dama

Image and video hosting by TinyPic


Plus ça change, plus c´est la même chose
Capa de Bernardo Marques.

As caixas de fósforos

Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic

Delas todas temos lembranças e marcam o nosso imaginário. Sempre adorei fósforos desde miúda, gosto sempre reprimido pela minha mãe.  É da sua  colecção pessoal, herdada de uma familiar, que a  nossa leitora e comentadora Cduxa nos manda fotos de alguns exemplares.
Giras não são?

ceci est une courgette...

Image and video hosting by TinyPic

no trabalho sou das poucas pessoas que não tem quintal. quando chega o verão as minhas colegas começam a falar de cebolas, curgetes, alfaces, tomates-cereja, que “crescem muito e depressa”, que “este ano ha muitos” etc... e como a produção é maior do que o consumo caseiro a dada altura perguntam-me se eu não quero isto ou aquilo.

esta manhã, quando cheguei tinha, em cima da secretaira, um saco com uma enorme alface, varias curgetes de cores e formas que desconhecia, uma curgete GIGANTE e um frasco de doce de melão para experimentar...

Amanhã faz sete anos que...

Image and video hosting by TinyPic
Cumprindo o desafio do Carlos Caria, segue foto dos anos 60, na Póvoa ainda, feliz com uma boneca no quintal de uma casa que amei muito e que já foi demolida. O traje era o bibe de brincar e sandália clássica. Pose politicamente incorrecta e de cabeça semi-cortada mas gosto desta fotografia, nem sei bem porquê. Talvez por causa da pá de lixo vintage...

Demasiado...

Image and video hosting by TinyPic

Almanaque Bertrand, 1905

O primo

Image and video hosting by TinyPic

Beijos, Almanaque Bertrand 1905

27 de julho de 2010

O voto feminino

Image and video hosting by TinyPic


Assim era apresentado, a nível mundial, o direito das mulheres ao voto .
Almanaque Lelllo em 1936.

Pastagens do Céu

Image and video hosting by TinyPic
"Todos os animais que Tulacerito já vira, aí se encontravam; por cima deles, voavam as aves da colina. Uma pequena serpente rastejante atrás de um bezerro; um coiote, com a cauda levantada orgulhosamente, perseguia um porco. Havia ainda gatos, cabras, cágados e ratos do mato, todos eles desenhados com uma veracidade e uma copia de pormenores admiráveis."
John Steinbeck

26 de julho de 2010

Alguns ofícios de ontem e de hoje

Image and video hosting by TinyPic


Image and video hosting by TinyPic



Os ofícios desaparecidos e os restavam ainda. O aguadeiro, o vendedor de cães, o vendedor de bananas, o azeiteiro...
Almanaque Lello, 1934

Sete anos

Image and video hosting by TinyPic
Em jeito de desafio aos bloguistas do Dias e em período de Aniversário, deixo aqui uma foto minha - que pode ser publicada sem bolinha - para que cada um publique uma foto sua dos primeiros anos de vida, para se ver o evoluir da forma de fotografar e até as indumentárias que se vestiam aos bébés.
Creio que vai ser uma agradável surpresa.
Carlos Caria

Estou à vossa disposição para publicar as fotos:)
T

Aniversário

Daqui a três dias, fazemos sete anos!

23 de julho de 2010

a vila ventura vai fazer 100 anos

benfica foi um bairro cheio de quintas, vilas, bairros dentro da cidade.
era uma espécie de outra cidade na periferia, antes de existir a nova periferia feita de outras terras.

com o tempo, as quintas transformaram-se em grandes empreendimentos, as azinhagas em ruas e o campo dentro da cidade em mais cidade.
pouco resta dessa benfica.

uma das poucas coisas são duas vilas lado a lado, uma delas a fazer 100 anos no dia 30 (a outra é mais antiga).
o destino delas é mais um prédio.



Nota: a pedido retirou-se a parte final do post.

o juiz não morreu...

...mas viva o pascoal !!!



(quadro de guilherme filipe, no ´pascoal')

o juiz de fajão e pascoal fernandes são as figuras centrais dos contos de fajão.
o humor do juiz é muito do humor das pessoas de fajão (dizem-no de mim).
arrevesado e com voltas e travessas.
o pascoal era mais o homem da luta popular. pelo menos a atestar a sua fama de ter encabeçado a luta pela aplicação dos privilégios de isenções aquando da passagem do domínio de fajão do mosteiro de folques para o de santa cruz, em coimbra pouco condizente com o que lhe é igualmente atribuído séculos mais tarde.
mal ao pascoal são-lhe atribuídos todos os feitos dos da terra.
é uma espécie de alter-ego colectivo dos fajaenses.

'fechou' o juiz de fajão, seguramente o restaurante mais famoso da serra do açor.
fechou, ou melhor dito, passou a, como dizem os anglófonos, ter o papel de 'supporting actor' na restauração fajaense.
e o papel principal passou, a partir de ontem para o 'pascoal', mesmo na esquina em frente.
se o pascoal já servia para quando o juiz estava cheio, agora vai passar a servir o juiz para quando o pascoal estiver a rebentar pelas costuras.

és estranho passar pela porta do juiz e vê-la fechada.
existe uma espécie de sentimento de orfandade na terra.
na verdade, desde os tempos do zé maria (uma 'personagem' completamente ao nível do pascoal) que aquele era o centro de fajão.
agora passa a ser o passadiço, bem mais perto da minha casa...


'morreu' o juiz?
viva o pascoal !!

degustando...

Image and video hosting by TinyPic

Domingo em passeata por outras montanhas a 10 km da nossa casa. Estacionamos, passeamos, bebemos um café numa esplanada à sombra e compramos queijos feitos com o leite das cabras que tinham acabado de passar por nós. a loja minuscula vendia deliciosas especialidades e contra todas as regras de uma ASAE que não existe (ou se existe, nesta aldeia ninguém quis saber) vendiam à unidade, ovos das galinhas que se “pavoneavam” mais à frente...

O dia a dia de uma senhora dos anos 60

Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic

Eram nestas agendas que se anotavam as despesas da casa. E onde também se contava a vida. Tropecei por acaso nesta, datada de 1966, que acompanha o quotidiano de uma senhora nesse ano.
Que sabemos dela? A vida não era desafogada economicamente, os seus luxos eram as revistas, (Crónica Feminina, Flama, Banquete  e Século), os lanches no Majestic, as idas ao cinema, muita fruta e guloseimas. O marido está fora, provavelmente no Ultramar. Chama-se Carlos, dela nunca saberemos o nome. Escrevem-se com frequência. Tem um filho chamado Nené, que anda no liceu e tem uma explicadora.. Volta e meia uma nota pessoal "Começaram os dias bonitos". Noutras vezes o pragmatismo: contaram a luz,  contaram a água, há o telefone para pagar. Tem uma letra bonita  e ágil, não se atrapalha a fazer contas. Escreve vagens, como eu escrevo. Compra papel de carta de avião para escrever ao marido. Nos anos ele envia-lhe um telegrama. Compra gelo, Martini e vinho branco. Cigarros frequentemente. Para o marido? A empregada chama-se Conceição e recebe à semana. Vai ao sapateiro  e manda arranjar as meias. Gosta de experimentar as receitas incluídas na agenda e qualifica-as de bom a muito bom. Tem uma modista.  Dá esmolas. Pão e leite nunca faltam em casa. Que lhe terá sucedido? Provavelmente morava no Porto. Fiquemos por aqui.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                              

António e Joaquina

Image and video hosting by TinyPic

O amor já não é o que era...
Almanaque Bertrand 1905




Modernidade

Image and video hosting by TinyPic

O pinto pensante
Almanaque Bertrand 1905

22 de julho de 2010

A sobreviver ao desgaste do tempo

Image and video hosting by TinyPic

No rasto de locais do passado nem sempre é possível o reencontro. Restam-nos, pois, memórias mais ou menos nítidas… É no entanto curioso verificar-se que, tendo desaparecido algumas referências de juventude, outras acenam-nos agradavelmente de inesperados recantos da cidade. E assim somos transportados para épocas em que, de regresso a casa com a satisfação de ter conhecido figuras e momentos inesquecíveis (hoje referências marcantes por terem cessado a sua existência neste exíguo planeta) alguém, no paredão junto à praia, toca trompete sob uma noite clara, fazendo com que perdure um tema sem tempo. A conjugação do trompetista (quem sabe se inspirado pelo evento há pouco terminado) com a natureza envolvente: uma noite clara que nem parece de Novembro, surdo desfazer de ondas disciplinadas a poucos metros do local onde se encontra - um quadro que o revela a quem passa para o último comboio, como alguém a tocar exclusivamente para a praia e para a noite… lúcida e teimosa lembrança a sobreviver ao desgaste do tempo.

E o tempo parou por um momento...

Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic

Parece ter-se detido aqui o curso do tempo… subitamente, chegam ao pensamento livros de capa amarelada a transportar para cenários que só a leitura consegue no presente definir… consegue-se imaginar a orquestra a tocar em abafadas noites de Verão . Senhoras de elegante vestido de organdi rodando ao som de uma previsível valsa de Strauss com cavalheiros de casaca e penteado irrepreensível a exalar a brilhantina… Em que local terão sido captadas estas imagens?

É o Casino do Luso e acertou o ABS.

O medo

Image and video hosting by TinyPic

Miau, miau
Almanaque Bertrand 1905

Belos objectos

Image and video hosting by TinyPic


Acho que serviam para recortar a massa, mas não tenho a certeza. Recordam-se deles?
Revista Banquete 1973

Pensamento reservado

Image and video hosting by TinyPic

O futuro...
Almanaque Bertrand, 1905

O beijo

Image and video hosting by TinyPic

Esposa Exemplar,
Almanaque Bertrand 1905

A Pompadour

Image and video hosting by TinyPic


A Pompadour em 1933
Almanaque Lello

O Blondex e o Brunitrex,

Image and video hosting by TinyPic

Assim eram os cabelos em 1949:

O Blondex e o Brunitrex.

21 de julho de 2010

Depoimentos do exterior: ser professora ao longo de 40 anos

Image and video hosting by TinyPic
40 anos mais tarde, ensinar continua demasiado apelativo para pensar na reforma…

Emily Farrell
Professora na Strat Haven High School, Delaware.


Em 1970 levantava-me diariamente às 5h rumo à primeira escola onde trabalhei no Michigan. A localidade, Hartland, tinha uma única rua. Havia 3 turnos horários e eu leccionava desde o início da manhã até ao meio-dia. Horário de 6 turmas com quinze minutos de intervalo entre cada uma. O ordenado era na época satisfatório: 8.000 dólares anuais. Os alunos não possuíam livros e eu ensinava Inglês…
Um ano mais tarde, fui colocada num verdadeiro paraíso, a Nether Providence High School. Não faltavam por lá livros. Os pais valorizavam hábitos de leitura.
Os anos 60 tinham chegado ao fim, mas uma certa cultura ‘hippie’ vigorava na escola... e não me refiro ao fascínio pelos romances de Herman Hesse, mas sim ao consumo de marijuana.
No início de 70, esta escola tinha um ‘campus’, podendo os estudantes sair para o almoço. As saídas originavam problemas. Na época, um professor podia questionar um aluno sobre o olhar vidrado ou o cambalear. Hoje não. Perguntem a um jovem se está ‘pedrado’ e sujeitam-se a um processo…
Apesar da liberdade, que razões encontrariam os adolescentes para sair do ‘campus’? No local existia uma área para fumadores a fim de se acabar com o fumo nas casas de banho ou em restantes espaços fechados.
Agora poucos estudantes fumam, as instalações sanitárias são áreas despoluídas e os pavilhões têm as portas fechadas à chave fora do período das aulas. Os visitantes têm de se identificar para lhes ser autorizado o acesso e qualquer um apanhado a fumar dentro de muros – jovens ou adultos – acaba no gabinete do director, sendo-lhe aplicada uma multa dissuasora.
Consumo de drogas? Temos pessoal de apoio, psicólogos e assistentes sociais que auxiliam/alertam os prevaricadores. Torna-se mais difícil frequentar a escola sob efeito de substâncias ilícitas.
Quando comecei a leccionar, os pais trabalhavam e as mães, muitas com consideráveis habilitações académicas, ficavam em casa, o que trazia vantagens e desvantagens. Uma mulher cuja carreira exclusiva é a maternidade, tanto pode ser a melhor advogada de um professor como se pode converter numa fera, queixando-se ao director, ao ministério ou a Deus, caso Ele tenha disponibilidade para lhe responder. Pode atacar violentamente ao primeiro sinal de uma positiva mais baixa…
Hoje todos têm de trabalhar, encontrando-se os pais exaustos para – pelo menos presencialmente - apresentarem queixas.
Bem-vindos ao e-mail. À semelhança de alguns adolescentes que divulgam fotos no Facebook após consumo desenfreado de álcool e livres de consequências, os pais podem enviar mensagens de correio electrónico não raramente impulsivas. Os professores devem responder-lhes cautelosamente: encarregados de educação não têm tempo para se queixarem na escola, mas o processo judicial é prática corrente…
Outra mudança é o mundo da educação especial. Há alguns anos, a nossa escola tinha dois professores de educação especial, o distrito tem hoje tantos professores de educação especial como de Matemática. Vinte por cento dos nossos alunos encontram-se sinalizados. O que era considerado “pequeno obstáculo” na geração anterior é actualmente rotulado como “problema focalizado”. Uma criança menos concentrada é “incapaz de processar”. Estudantes outrora encarados rudes ou agressivos, a necessitar de penalização, precisam hoje de “reforços emocionais”.
Ciente de me encontrar a ironizar sobre o novo mundo das etiquetas, não duvido que o nosso entendimento sobre alguns problemas subtis de aprendizagem terá dado lugar a uma panóplia de actuações alicerçadas no facilitismo.
Quando comecei a profissão, as maiores distracções domésticas eram a tv e o telefone. Confiscar, na aula, um bilhete de namorados, não era complicado como actualmente. Existem os telemóveis, excelente apelo para se ignorar o trabalho escolar. E que o professor se livre de tentar ler as sms quando apreende um destes aparelhos. É ilegal. Deixei de reparar nas fotos enviadas, mostrando grandes planos (muito detalhados) de jovens em beijos cinematográficos... Já estou curada.
Associem ainda os telemóveis às fraudes escolares: durante um teste de soletrar (sim, ainda existem), reparei num rapaz com o telemóvel ligado. Estaria a receber uma mensagem do pai, tal como me informou, ou a utilizar o seu dicionário online? Adivinhem…
Sim, o mundo mudou para esta professora de 62 anos que pensa na reforma, mas não consegue largar a escola enquanto ainda gosta do que faz. Os meus alunos alegram-me todos os dias, parecendo apreciar o que lhes ensino.
Em 2010 acordo às 6h para a aula de escrita criativa com início às 7.30. Ensino 3 diferentes cursos por semestre e a duração de cada sessão é de 80 minutos. Os estudantes começam por ligar os laptops para construção de poemas destinados ao concurso de escrita. Às 15.30 chego a casa , ficando a aguardar os textos feitos na aula para ,logo de seguida, os enviar para a Califórnia. Enquanto espero, preparo um mail dirigido ao director de uma universidade por causa de um candidato. Nessa mesma noite, recebo uma mensagem electrónica bastante motivadora, enviada por um pai e auxilio um aluno a concluir ensaios académicos 'na hora'.
Sem dúvida que o ensino mudou.


Tradução livre do Philadelphia Inquirer de 6/6/2010
Foto de Emily Farrell , legenda: «Emily no ano lectivo de 74/75 antes do e-mail, dos sms e dos “problemas focalizados” ».

(agradecimentos ao V pelo recorte enviado)